sábado, 29 de janeiro de 2011

Luanda

Bom, pra começar, Luanda é uma menina de 12 anos, que mora no c* do mundo. Era a carioca perfeita, mais perfeita de todas. Vivia cheia de areia nos pés, morava na Freguesia, cinco minutos da praia da Barra. No Rio não existe frio ou inverno, depois de conhecer o fim do mundo, ela pensa assim. Ela lembra que, no último dia que esteve como carioca, ela estava com uma blusa de moletom grossa, com um cobertor colorido assistindo Tom & Jerry e chegou o pessoal da mudança. Acabou. Acabou os dias de praia, acabou. Acabaram os seus amigos, acabou. Acabou sua vida, acabou. Agora ela vive no lugar já citado, com uma amiga, apenas, Mariana, vai raramente à praia, e ela não gosta de piscina, piscina não tem graça. Pra ela piscina é uma iniciação à vida no mar. Quando foi fazer seu CPF, nos Correios da sua cidade, a atendente perguntou: você nasceu aqui?  Ela se lembrou de praia, do sol, dos shoppings, da água salgada das pranchas e respondeu rispidamente: Não! "Que ofensa" ela pensou. Pincipalmente nas férias ela sente saudades da sua cidade, só sua, de mais ninguém. Das suas praias, das suas ondas, do seu mar. Seu livro de cabeceira é Percy Jackson, só por quê ele é filho se Poseidon (pra quem não sabe, ele é o deus do mar). Ela é obcecada pelo mar desde que começou a surfar. Tem cabelos castanhos e olhos azuis (só pra vocês saberem. )

Chega!

Resolvi mudar um pouco o blog. Ao invés de um blog de realidades, será um blog de sonhos. Vou criar mais crônicas com as personagens Luanda e Mariana. Coisas que são impossíveis pra mim, mas pra elas não. Bom, começemos...

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Gargarejando

Foram Luanda e Mari para o cinema, assistir Eclipse. Luanda, a melhor amiga de Mari era a melhor pessoa do mundo junto com sua mãe e sua tia, seu pai foi em um veleiro para o Caribe quando ela tinha cinco anos e nunca mais voltou. Ela, agora com 12 anos, superou essa perda, e odeia seu pai. Bom, Luanda tinha seus problemas. Na verdade, se não fosse o fato de ser tão cabeça dura, ela seria a pessoa mais perfeita do universo inteiro.
Luanda: Quero ver o filme bem de perto!
Mari: Eu também!
Luanda: A primeira fila, por favor.- Disse enquando selecionava o lugar que iriam sentar.
Mari: Não sei não, vamos ficar na fila do gargarejo? Tem lugar lá pra trás, ó. É até melhor, as melhores filas são as de trás.
Luanda: Que nada!
Mari: Bom... Tá legal. - Sabia que ela não iria mudar de ideia tão cedo.
Compraram um potão de pipoca e meio litro de coca cola para acompanhar o filme.
Na primeira cena, Mariana descobriu que iria ser difícil ver aquele filme em paz. Luanda não conseguia acompanhar as legendas, e ficava perguntando: o quê ela disse? ãh? o quê?  Ás vezes nem mesmo ela conseguia acompanhar, de tão ruim que era a fila que arruamaram. Chegou na metade do filme, Luanda estava nos braços de Morfeu, e Mari se esforçando para não ir também, pois ela só via cenas de amor melosas e palavra desconhecidas. Tinha ido para agradar Luanda, por quê o filme que ela realmente queria ver (acreditem) era A Órfã. Ela poderia entrar no meio da multidão e borlar a segurança, por quê não? Eles estão ganhando o dinheiro deles, e ela vendo o filme que queria. Mas Luanda é o tipo de certinha paty chata qua não aceita borlar uma só regrazinha absurda. No final, elas acordaram com o lanterninha avisando que a próxima sesão iria começar, capotadas nas poltronas vazias daquela tortura, com os cabelos loiro e castanho claro embolados nos seus cachos. A pipoca, que elas não tinham comido nem um milésimo, estava jogada no colo delas e no chão e o meio litro de coca, quente, no braço da cadeira.
Mari: Da próxima eu escolho o filme e o lugar, ok?
Luanda; Ok...

Não só

nasci no Rio, mas também nasci para ele. Eu sou carioca, assumida e orgulhosa. Ninguém vai tirar isso de mim.

Yes!

Yes!Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes,Yes! Aaaaaaaaaaahh!!!!

Estou

 feliz pra caramba! Então se você veio me interromper fale com a minha mão! Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my haaand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my haaand.
Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk


 to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my
Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.Talk to my hand.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

See you driving

around town with the girl I love and I'm like... Fuck you!

Quando eu

leio um livro, eu escolho uma trilha sonora pra ele. Exemplo: eu li o Ladrão de Raios, aí a trilha sonora foi:
  1. That's What You Get- Paramore
  2. Decode-Paramore
  3. Complicated- Avril Lavigne.
Eu já estou pensando na trilha sonora pra os livros desse ano. A do livro O Menino Do Pijama Listrado eu já estou acabando:
  1. Cold War-Janelle Monáe (tudo a ver)
  2. A Year Without Rain-Selena Gomes
  3. Pocketful Of Sunshine-Natasha Bedingfield
  4. Fuck You-Cee-Lo Green
  5. It's Not Right, But It's Ok- Whitney Houston (antiga, mas tudo a ver com o ritmo do livro.)
  6. So Emotional-Whitney Houston (antiga, mas tudo a ver com o ritmo do livro.)
Só, eu acho. Mas ainda tem outros livros. Por quê isso? É como a trilha sonora de um filme: você está tão ligado no enredo que você nem liga, mas quando ela não está la você a nota. Além do mais, dá mais sentido à leitura, e você lê e entende mais rápido e tudo mais. Se você não aguenta ler com barulho, é só colocar bem baixinho.

Você já

Sentiu tanta raiva de alguém que quase o derreteu apenas com um olhar? Bom, eu já. Não vou contar a história mas me fez acreditar nisto:
Então você acha que eu estou sozinha?
Mas estar sozinha é o único jeito para se ficar
Quando você pisa lá fora
Você corre como fogo por sua sanidade
Pois é, triste, mas verdade. Mais cedo ou mais tarde, você vai descobrir isso. Você sabe para quê você está lutando?
Esta é uma guerra fria
É melhor saber para que você está lutando
Esta é uma guerra fria
Você sabe pelo que está lutando? - Cold War- Janelle Monáe.
 
Quando alguém me provar o contrário, eu excluo este blog.

 
 

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

De moeda em moeda o porquinho enche o papo.

Se de grão em grão a galinha enche o papo, de moeda em moeda o porquinho enche, também. Demora, mas que enche, enche, ninguém pode negar. Nunca tive um clássico porquinho de cerâmica, só uma vez e foi de plástico. Depois disso, todos os meus cofrinho foram de metal, aquelas latinhas, que vem com uma caneca, e com a temida chave. Não sei de quem foi essa ideia de jerico colocar chave em cofrinho, já que o principal é juntar dinheiro. Deixava a caneca do lado de fora e pronto, né? Ficaria muito mais fácil. Eu não consigo juntar dinheiro com a chave na minha mão. Com o dinheiro que eu consegui juntar, comprei um cofrinho sem chave. Agora vamos ver no que dá.

Meu All Star dos Sonhos

Esse é o meu all star dos sonhos.
No site da converse você pode fazer seu próprio all star! É só ir no site e criar o seu all star original. (http://www.converse.com/#/products/shoes/converseOne/scratch/all) <== esse é o link já na seção certa. Você pode fazer o seu próprio, o problema é que eles não fazem entregas internacionais =6... Bom, assim fica difícil, né? Pelo menos você vai ter uma ideia de como você quer seu all-star e compre um que se aproxime disso.

All Stars

All stars são nossos amigos de todas as horas: sendo velhos, sendo novos cano alto, cano baixo, coloridos, botas, de velcro, de cadarço... Eu acho que os all-stars velhos tem um certo... charme. Eles são um passatempo também por que tem gente que rabisca aquela parte de frente, sabe? A branca. E eles podem ficar do jeito que a gente quiser, em qualquer lojinha 1,99 tem aqueles cadarços coloridos, xadrez, poá... E também tem vários jeitos de colocar o cardarço. No blog da Converse, na seção "Amarre-se", (http://www.conversation.com.br/) tem vários jeitos de colocar: ensina por figuras e por vídeo. O vídeo é meio rápido, não dá para acompanhar muito bem, mas com a ajuda da teoria até que vai. Eu apanhei muito até conseguir fazer o Straight Bar, mas no final parecia que eu estava com um tênis novo! Ainda mais que eu comprei um daqueles cadarços coloridos, ficou muito legal. Se enjoou do seu all-star, antes de comprar outro, lave-o compre um cadarço novo e tente um laço diferente! Você vai ver, no final o seu tênis vai ficar irreconhecível.
P.S.: O cadarço novo custa R$ 4,00, e o tênis novo custa por volta de R$ 70,00.

sábado, 1 de janeiro de 2011

Minha bicicleta

continua mofando no quintal. Eu sempre digo que vou andar, mas nunca consigo. Preguiça, preguiça e... preguiça. Afffffff... Eu ando só na descida, por que na subida... tá, eu digo que não consigo, mas me cansa, e no fim do dia eu estou totalmente arrasada... Ela deve estar solitária. Tá, amanhã eu vou... Não, não amanhã não. Segunda... Vou ver. O engraçado é que ela era minha companheira inseparável, eu ia com ela pra cima e pra baixo. Mas agora a preguiça reina sobre meus ombros.

O novo ano

foi saudado, novamente, com chuva. Que verão é esse? Sem sol, sem piscina, e, para sortudos, sem mar. Minha mãe diz que as ruas e as plantas se renovam com a chuva, faz sentido chover no fim desse ano, né?
Ah, mas precisava ser no fim de semana?

Eu adoro caminhar

mas a caminhada não tem muito amor por mim. Sinceramente, eu não gosto de andar. Não gosto de ficar suada andando sem um objetivo certo, e sabendo que a única coisa que eu vou ganhar será um carimbo na minha carteirinha verde e suja. A única caminhada em que eu ganhei algo além de um borrão de tinta foi uma que eles estavam sorteando prêmios: minha mãe ganhou uma agenda, minha amiga um lenço, meu irmão um porta cordões, que deu pra minha amiga (era aniversário dela...), meu pai uma caixa linda (que deu para minha mãe) e eu ganhei um shampoo, UM SHAMPOO! Pô, que droga. Pelo menos depois, quando eu cheguei em casa, exausta, suada, suja de barro, com meu all-star de cano alto preto, lindo, com terra vermelha até a alma, tomei uma ducha gelada, fui a piscina, e depois usei meu shampoo, tinha cheiro de baunilha. ¬¬' Pelo menos uma coisa útil.